Primeiro lote com vacinas da Pfizer/BioNtech chega ao Paraná

Os imunizantes são parte do primeiro lote de 1 milhão de doses enviado pela fabricante ao Brasil

A primeira remessa das vacinas contra a Covid-19 produzidas pela farmacêutica norte-americana Pfizer em parceria com a empresa de biotecnologia alemã BioNtech já está no Paraná. As 32.760 doses desembarcaram no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na noite de segunda-feira (3). De lá, o material foi encaminhado ao Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar) para validação da qualidade e armazenamento. O lote chegou ao local às 20h20.

Por causa das especificidades técnicas e exigências de armazenamento em temperaturas muito baixas, as vacinas da Pfizer serão distribuídas apenas em Curitiba, seguindo orientação da Coordenação-Geral do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde. O material deve ser encaminhado para a prefeitura da Capital na quarta-feira (5).

"O número oficial é de 29.484 doses, mais a reserva técnica. Essa primeira carga ficará em Curitiba. Elas ficarão nos nossos freezers à disposição do município", afirmou o secretário estadual de Saúde, Beto Preto. Segundo ele, cada frasco tem seis doses. Uma vez aberto o recipiente, o espaço de aplicação será de seis horas.

Os imunizantes são parte do primeiro lote de 1 milhão de doses enviado pela fabricante ao Brasil. Eles foram produzidos na fábrica da Pfizer em Puurs, na Bélgica. Nesta remessa, o Ministério da Saúde distribuiu 500 mil doses para os 26 estados mais o Distrito Federal. A outra metade, referente à segunda dose, será encaminhada nos próximos dias. O governo federal tem um acordo de compra de 100 milhões dessas vacinas.

ESTRUTURA – As doses da Pfizer foram enviadas pelo Ministério da Saúde ao Paraná em caixas térmicas em temperaturas entre -25°C e -15°C. No Cemepar, foram guardadas em frezeers de baixa temperatura.

O Estado conta com nove freezers para armazenamento do imunizante da farmacêutica norte-americana. Sete são de ultrabaixa temperatura (-80ºC) e dois são de temperatura de -20ºC. Conforme orientações técnicas do Ministério da Saúde, a conservação das vacinas pode ser feita por no máximo 14 dias, por isso as aplicações da primeira remessa devem ocorrer apenas nas capitais.

O imunizante também requer duas doses para garantir a imunização completa, respeitando intervalo entre elas – o Ministério da Saúde divulgou uma nota técnica nesta segunda-feira citando intervalo de 12 semanas, mas essa definição ainda não está totalmente pactuada. Para a aplicação, cada frasco com seis doses deverá ser diluído com soro fisiológico injetável.

*Com informações da AEN