Londrina mantém Índice de Desenvolvimento da Educação Básica

O índice conquistado pelas escolas da rede municipal foi de 6,8

A Secretaria Municipal de Educação manteve a média de 2017 – no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), 6,8. Os dados são referentes a 2019, e foram publicados nesta terça-feira (15), pelo Ministério da Educação, através do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). 

A meta projetada para o Município pelo governo federal era de 6,4. O resultado deste ano repete o de 2017 e é o maior já registrado pela rede municipal, desde a criação do índice em 2005, e supera a média do Estado para Séries Iniciais do Ensino Fundamental, que para 2019 ficou em 5,7. O resultado nacional foi de 5,9; e o Estado do Paraná ficou em 6,5.

O Ideb calcula, em um mesmo indicador, o resultado do fluxo escolar e o desempenho dos alunos em português e matemática, mensurados por meio da Prova Brasil. Quanto maior índice, que vai de zero a dez, maior a taxa de aprovação e a média de aprendizado. A cada dois anos os estudantes do 5° ano são avaliados pelo SAEB em Leitura e Matemática.

Em 2019 participaram da avaliação no Brasil 15 milhões de alunos, de 109 mil escolas. O último índice do Município, em 2017, foi de 6,8. Em 2015 o Ideb era 6,5.  

A unidade com melhor resultado atingiu a marca de 8,5, sendo ela a Escola Municipal Melvin Jones, localizada na Rua Afonso Pena, 91. Jd. Hedi.

"O resultado conquistado pela rede é motivo de comemoração. Estamos muito contentes com o Ideb no nosso município, especialmente porque conhecemos todas as dificuldades existentes, bem como os problemas enfrentados pelas escolas. Estamos muito satisfeitos com o crescimento de cada unidade, mais até que o resultado final do Município. Outra comemoração se deve à evolução individual de cada escola da rede municipal", afirma a secretária de Educação, Maria Tereza Paschoal de Moraes. 

Das 87 unidades, 52 aumentaram ou mantiveram seu índice, em comparação com o último Ideb. 

IDEB OBSERVADO

2019 – 6,8

2017 – 6,8

2015 – 6,5

2013 – 6,4

2011 – 5,4

2009 – 5,7

2007 – 4,9

METAS PROJETADAS

2021 – 6,7

2019 – 6,4

2017 –6,2

2015 – 5,9

2013 – 5,7

2011 –5,4

2009 – 5,0

2007 – 4,7

Leia mais

Com informações do N.Com/PML*