Grupo da UEL quer arrecadar R$ 40 mil para testes no Estudo da Sede

Pesquisa que estuda a sede em pacientes cirúrgicos

Um grupo de estudantes e professores da UEL (Universidade Estadual de Londrina) pretende arrecadar R$ 40 mil, por meio de um financiamento coletivo, para realizar testes em dois projetos de pesquisa que estudam a sede em pacientes cirúrgicos.

A campanha é realizada pelo Grupo de Estudos e Pesquisa da Sede, criado em 2010, pelo Departamento de Enfermagem do Centro de Ciências da Saúde, e se encerra em 7 de março. Até o momento conseguiu arrecadar quase 10% do valor.

De acordo com a pesquisa, a sede em pacientes cirúrgicos pode ser provocada em qualquer cirurgia e a intensidade depende de diversos fatores, como características pessoais do paciente, ansiedade, tempo de jejum e medicamento como os opioides.

Estudos indicam que, no pós-operatório, 75% dos adultos apresentam queixa sobre a sede, e em crianças são 86%. Já em pacientes de cirurgia bariátrica, a queixa chega a 97%. Segundo a coordenadora do grupo, professora Lígia Fahl Fonseca, o financiamento coletivo visa desenvolver dois estudos vinculados ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem.

Ela explica que são exames caros e não há previsão orçamentária para a realização dos testes. O primeiro é o desenvolvimento do picolé mentolado para a produção comercial em larga escala, realizado pela mestranda Natiely Motta. A professora Ligia Fonseca explica que a estudante precisa desenvolver 12 testes.

O segundo, por sua vez, é da doutoranda Thammy Nakaya, também do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. No mestrado, ela pesquisou as alterações hormonais provocadas pelo picolé mentolado. Essa pesquisa envolveu nove pacientes voluntários. Agora, no doutorado, ela precisa ampliar com a participação de, pelo menos, 40 pessoas.

De acordo com o estudo, o potencial é significativo para beneficiar outros pacientes, como renais crônicos, ostomizados, em radioterapia, em unidade de tratamento intensivo, que também poderão usufruir do Picolé Mentolado.

Como ajudar - As doações para a campanha do GPS podem ser feitas no endereço Grupo de Estudos e Pesquisa da Sede. Clique aqui .

Leia Mais:

Com informações Agência UEL*