Covid-19: Paraná deve chegar a 10 mil casos no pico da epidemia

Estimativa é do secretário de saúde, Beto Pretto

O secretário de estado da Saúde, Beto Pretto, atendendo a um convite do deputado estadual Hussein Bakri (PSD), detalhou aos parlamentares do Paraná as ações no combate ao novo coronavírus. De acordo com o titular da pasta, o Estado deve ter 10 mil casos de Covid-19 no pico da epidemia, mas se prepara caso esse número chegue a 30 mil. 

“Para isso, contamos com 200 leitos de (Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) a mais para o caso da epidemia chegar a 40 dias. Se a situação ultrapassar esse período, temos condição de contratar até 600 novos leitos”, afirmou. 

Beto Preto ressaltou que o combate à doença acontece em duas fases: o rastreio epidemiológico e o atendimento. A primeira etapa se dá pela observação do que vem ocorrendo na Europa e na Ásia. Com isso, investindo na fabricação e aquisição de testes rápidos e atuando firmemente em prevenção. “O paranaense tem seguido as orientações de prevenção passadas pelo Estado, como a interrupção de atividades e o isolamento domiciliar”.

Como se trata de uma pandemia, o secretário diz que não é possível trabalhar com números exatos. Mesmo assim, se mostrou confiante. São três planos diferentes em caso de uma crise aguda. 200 novos leitos de UTIs e 300 de enfermaria em um primeiro momento; em um segundo estágio, com 350 leitos de UTIs e outros 500 leitos de enfermaria e, se houver um pico mais alto, existe a possibilidade, de acordo com o secretário, de 600 leitos de UTIs mapeados e contratados da rede de hospitais privados, filantrópicos e próprios exclusivamente para o enfrentamento ao Coronovírus. 

Dos 10 a 20 mil casos previstos para o Paraná, segundo os estudos do Ministério da Saúde, o secretário Beto Preto esclarece que 85% devem ser leves. Dos 15% restantes, dois terços vão precisar de tratamento em enfermaria e um terço de internamentos. “Sãos esses 15% que nos preocupam e o nosso esforço é para atendê-los da melhor forma, evitando os casos de mortalidade entre os grupos de risco”, disse.

Leia mais

Com informações da Alep*